1fdfe2d553e04fc18698ac515385cb64.jpg
Artigos

Os Super-Heróis na TV em 2014 e as expectativas para 2015

Quem imaginava que o gênero de Super-Heróis invadiria a TV dessa forma? No decorrer dos anos alguns mascarados ganharam algumas versões para a televisão. Batman e Robin de Addam West (1966-1968), Mulher-Maravilha (1975-1979), Lois e Clark: As Novas Aventuras do Superman (1993-1997), The Flash (1991), Shazam! (1974-1976), The Amazing Spider-Man (1979). Mais recentemente tivemos Smallville como um grande sucesso para o público jovem e. Mas foi em ARROW que a ideia de construir um universo compartilhado começou. E isso não ficou explicito logo de cara. Foi no segundo ano do Arqueiro que descobrimos que uma série derivada sairia dali. E The Flash chegou arrebentando, com direito a até mesmo um crossover entre os dois programas.

Mas não podemos nos esquecer da iniciativa do Universo Marvel que, após o estrondoso sucesso de Arrow na CW, resolveu fazer o derivado de seus filmes na TV com Agents of SHIELD. A série dos agentes teve um começo perdido em sua trama, com episódios arrastados que pareciam só se sustentarem nos filmes do Marvel Studios. Essa técnica, diferente da DC que preferiu seguir com a série do Arqueiro em um universo diferente que os filmes, parecia não funcionar como deveria. Mas algo inevitável aconteceu com Agents of SHIELD: o segundo filme do CAPITÃO AMÉRICA teve uma trama tão irada que alterou toda a estrutura do Universo Marvel Live-Action. Agents of SHIELD não poderia ser mais do mesmo. Os episódios ganharam uma dinâmica muito interessante e com um ritmo bastante acelerado, fechando de maneira agradável sua primeira temporada.

Enquanto isso o segundo ano de Arrow seguia com uma história bastante pessoal de vingança entre o Exterminador e Oliver Queen. O personagem entrou em um declínio de dor, sombras e desespero, pensando até mesmo em tirar a própria vida. Paralelo a essa trama, Arrow também trabalhou com outros personagens, estabelecendo-os de maneira bem interessante, como o grupo do Esquadrão Suicida. Easter-eggs é o que não faltavam para estabelecer minuciosamente o Universo DC Televisivo como um todo.

 

A segunda metade de 2014 foi de tamanha ansiedade, pois os heróis começariam a brotar na TV. Foi tudo muito rápido! Setembro chegou com Gotham, série que apresentaria a cidade do Batman bem antes dele dar as caras como seu guardião. Gotham é sobre a cidade em si, seus personagens e sua maldade. É a serie da Cidade de Gotham, e muitas pessoas confundiram as coisas e a julgaram mal. Quer assistir Gotham? Faça sem esperar pelo Batman, pois a série é a Sombra do Batman! Gotham teve um bom começo, mas ainda está se encontrando, se estabelecendo. É um programa que gera boas expectativas, mas ainda está longe de ser a melhor série da DC. Ainda é muito cedo para falar qualquer coisa. A escolha do policial James Gordon e seu parceiro como "protagonistas" é uma ótima jogada. Mas temos também o velho Alfred, numa versão mais violenta sua (bem parecida com a graphic novel BATMAN: TERRA UM), e o menino Bruce. A inserção dos dois na trama não é exagerada e contribui para aqueles que querem ver traços do que virá a ser o Homem-Morcego. Temos violência, loucura, vilões conhecidos em ascensão e uma guerra iminente entre os mafiosos.

Ainda em setembro, Agents of SHIELD retornou com uma segunda temporada um pouco perdida no começo. Mas em alguns episódios depois eles encontraram seu tom. A linearidade da trama fez bem ao programa, que se seguiu intenso até o fim de sua mid-season. Grant Ward foi um dos personagens que mais se sobressaiu nessa temporada; nunca sabemos se ele está em busca de redenção ou não. Temos também mais elementos dos quadrinhos como a Hydra, Homem-Absorvente, Bobbi Morse e OS INUMANOS. A origem dos Inumanos na série a torna obrigatória pra quem acompanha os filmes no cinema. Agents of SHIELD, uma série que teve um começo pequeno, mas um final épico de mid-season.

No mês seguinte a estreia de The Flash foi um arraso, apresentando efeitos visuais a nível de filmes. A série do Velocista Escarlate seguiu um modelo clichê para dar origem aos meta-humanos, e isso desagrada um pouco, além deles eliminarem constantemente seus personagens secundários; personagens esses que poderiam ser muito bem reaproveitados nessa e em outras series da DC. Mas a filosofia por trás de The Flash, os combates que o herói travou com os vilões, os efeitos bacanas, a dinâmica do programa com o Universo DC como um todo e a profundidade dos personagens principais, como Barry, Joe e Wells são de deixar lagrimas nos olhos.

Além disso tudo, The Flash vem apresentando as origens de personagens que nunca imaginávamos que ganhariam vida na TV ou nos cinemas. O episódio do Capitão Frio está entre um dos melhores. O crossover entre o Arqueiro e o Flash surpreendeu com o embate entre os dois heróis e a dinâmica entre os dois programas. E o ultimo capitulo do ano foi maravilhoso de se assitir. Ver o Flash enfrentando seu arqui inimigo, o Flash Reverso, foi muito irado. E não podemos nos esquecer das aparições do Nuclear, que tem sido fodástica demais. Os easter-eggs do programa são ousados, passando de referências a Wayne Enterprises (prova de que o morcegão existe sim no Universo DC Televisivo) e ao vislumbre do Gorila Grodd. Temos também referencias bem discretas ao universo do Shazam e o Capitão Átomo.

 

A terceira temporada de Arrow não foi diferente. Personagens conhecidos da DC começaram também a dar as caras, como Ted” o Pantera” Grant, Roy Harper estabelecido como Arsenal, a chegada de Ray Palmer, o futuro Eléktron e até mesmo as apresentações de alguns vilões, como o Capitão Bumerangue. As motivações dessa terceira temporada não são tão pessoais como a segunda, e isso pode se dar pelo fato de Oliver estar mais heroico que nas temporadas anteriores. Dado os últimos acontecimentos, envolvendo a fatalidade com Sara, a volta de Malcom Merlyn ao lado de Thea e a Liga dos Assassinos, liderada pelo Cabeça do Demônio Ra's Al Ghul no encalço do Arqueiro, culminando num embate épico no topo de uma montanha.

Não podemos nos esquecer de certas ousadias que os idealizadores dos dois programas, Arrow e The Flash, tomaram. No sétimo episódio da atual temporada, Oliver enfrenta a vilã Cupido, que é totalmente obcecada pelo Arqueiro. A mudança na vinheta do episódio, cuja ponta da flecha foi trocada por um coração, ficou perfeita! Já em The Flash, vimos um vilão da segunda temporada de Arrow, o Rei Relógio, atormentar o Velocista Escarlate enquanto lidava com um meta-humano. É esse tipo de interação entre os dois programas que os tornam as séries de heróis mais grandiosas do momento

Por fim, a última estreia esperada do ano foi Constantine. A série que tinha a intenção de introduzir o lado místico do Universo DC na TV começou com problemas em seu roteiro. De maneira arrastada, o programa começou a se encontrar nos últimos episódios, mas está longe ainda de alcançar um ritmo mais alucinante. Vale lembrar que Constantine corre o risco de um cancelamento dado a sua baixa audiência. O ator Matt Ryan, que interpreta o mago John Constantine está lutando para salvar a série através de campanhas intensas nas redes sociais. Matt é um ótimo ator e interpreta Constantine de maneira muito convincente, digna das HQs. No quarto capítulo ele dá um show de atuação, deixando a tona a capacidade de John em mentir, ironizar e também sofrer. A dinâmica entre Constantine e o Papa Meia-Noite também foi um dos melhores momentos até aqui. É notável que há um mal absoluto em ascensão na série, e esse deve ser o evento que pode mudar toda a nossa concepção com relação a ela. As audiências têm crescido de maneira bem sutil. Por mais que reconhecemos que a série tem seus problemas, principalmente no roteiro, nos apegamos a causa e torcemos para que esse quadro mude. Um destaque especial é a participação do personagem Jim Corrigan, o futuro Espectro, uma grande figura que representa o lado místico da DC. Uma prova de que existem intenções grandiosas dos idealizadores com esse universo; isso sem contar os incontáveis easter-eggs que já apareceram no programa. 

Um bom ano para os heróis será sucedido por temporadas explosivas em 2015.

Ainda nesse mês de dezembro temos POWERS, primeira série original do Playstation Network. O programa será baseado nas HQs de Brian Michael Bendis e Michael Avon Oeming. A trama se passa em um mundo onde os humanos e os super-heróis coexistem, e um detetive de homicídios é encarregado de investigar crimes que envolvem alguns poderes sobre os humanos. O ótimo ator Sharlto Copley (Distrito 9; Elysium) protagonizará a série que terá os dois primeiros episódios dirigidos por David Slade (30 Dias de Noite) e escrito por Charlie Huston.

Em janeiro a Marvel aposta na minissérie da Agente Carter, cuja trama se passa após os eventos de CAPITÃO AMÉRICA: O PRIMEIRO VINGADOR e promete contar as origens de elementos do Universo Marvel Live-Action, como a SHIELD. A aposta pode ser arriscada... Ou nos surpreender bastante. Vale lembrar que o filme do Homem-Formiga, cuja estreia também será em 2015, deve mexer envolver alguns eventos do passado, afinal, na versão cinematográfica o Homem-Formiga original, Hank Pym, já está mais velho. E um outro detalhe é a presença de Jarvis, mordomo de Howard Stark, pai do Homem de Ferro. 

Também na primeira metade de 2015, as continuações das atuais temporadas de Arrow, The Flash, Gotham e Constantine retornarão. E estamos com expectativas a flor da pele.

Que rumo Agents of SHIELD tomará? Ainda continuará com esse jogo de gato e rato com a Hydra? Seguirá um lado mais alienígena? Ou se desdobrará com os eventos que ocorrerão em OS VINGADORES: A ERA DE ULTRON?

Quanto a Arrow, haverá no programa uma trilogia de episódios que contará a origem da nova Canário Negro. Sabemos também que Roy ganhará um destaque maior. E quanto aos outros personagens como o Pantera e Eléktron? Será que se revelarão como heróis até o fim da terceira temporada? Veremos o Poço de Lázaro como justificativa para o retorno de algum personagem? Tem muita coisa legal que pode acontecer agora que certa pessoa ficará um bom tempo ausente. Em The Flash, a Galeria de Vilões do Flash está se organizando. Ao mesmo tempo a trama começa a mexer com viagem no tempo, gerando uma porrada de possibilidades. O que podemos esperar de Gotham não é um Batman. Pelo rumo da trama, esperamos ver em breve uma guerra sanguinária nas ruas da cidade entre os mafiosos. E em Constantine não há nada a esperar no momento enquanto não decidirem pela renovação ou cancelamento do programa. Se for cancelamento, que seja um final épico e um arco fechado.

E para finalizar, teremos novas series de TV, fora as renovações das atuais series que é quase certa. As gravações dos pilotos de Titãs, Supergirl e Krypton foram oficializadas. Uma serie do Super-Choque está nos planos da DC para sair via streaming pelo youtube. E temos as series da Marvel que sairão pelo Netflix (Demolidor, Jessica Jones, Punhos de Aço, Luke Cage e os Defensores), que além de introduzir o lado urbano desse grandioso Universo Marvel como um todo, promete nos envolver com suas tramas fascinantes extraídas diretamente das HQs. E amigos, eu nem estou contando com alguns programas já especulados do selo Vertigo, como Preacher e Lucifer.

 

            

Deu para notarem o monte de programas que teremos que acompanhar no ano que vem? Haja dedo para fazer as análises dos episódios de todos eles, não é mesmo? E com uma porrada de séries super legais como essas (isso porque não contei The Walking Dead, Game of Thrones...), é possível se esquecer até dos filmes e dos games que estão para sair.

E vocês meus caros nerds, gostaram das séries de heróis desse ano? E o que vocês esperam de 2015 nessa categoria? Deixem seus recados.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

André R. Candeias

Nerd. Escritor. Leitor. Tenho Stephen King como meu mentor platônico nos livros. Sou DCnauta assumido. Meu jogo predileto é Silent Hill. Meus diretores prediletos são Christopher Nolan, Peter Jackson e Zack Snyder.

Pra relaxar adoro ouvir trilhas sonoras, principalmente as de Hans Zimmer.

Além do mais sou fã assíduo de Star Wars, o universo da Terra-Média de Tolkien, Game of Thrones e por último, mas não menos importante, The Walking Dead.

Website: https://www.facebook.com/lordcandeias